Logo da Pinacoteca

Apoie

Logo da Pinacoteca

Laerte Ramos – Casamata

29 mar 2014
29 jun 2014

A Pinacoteca do Estado de São Paulo apresenta a instalação Casamata, de Laerte Ramos (São Paulo, SP, 1978). Realizada especialmente para o Projeto Octógono Arte Contemporânea, a instalação é composta por 102 peças de cerâmica – Casamatas – de 34 formatos distintos e 44 peças – Columbiformes – de dois tamanhos diferentes que reproduzem pombos em bronze patinados de branco e que serão distribuídos pelos dois pátios do museu. Com curadoria de Ana Paula Nascimento. O Projeto Octógono Arte Contemporânea da Pinacoteca do Estado de São Paulo – espaço para a experimentação de práticas artísticas – tem o patrocínio do Banco Bradesco que continua apoiando a iniciativa para a edição de 2014.

Casamata é uma construção baixa, um abrigo normalmente abobadado e fortificado, às vezes blindado, que pode ser parcialmente subterrâneo e que tem como finalidades instalar armas, estocar munição ou alojar pessoas. Na instalação apresentada na Pinacoteca, Laerte Ramos faz um paralelo dessas pequenas construções com as habitações que os pássaros popularmente conhecidos como João-de-barro. O artista cria uma série de modelos de moradas a partir da junção de formas geométricas simples como esferas e cubos. Tais formas se multiplicam, encaixam-se, combinam-se, com repetições e agrupamentos. Sustentadas por cabos de aço, praticamente soltas e visíveis de todos os ângulos, muitas trazem em seus vãos ou em superfícies maiores areia e plantas artificiais.

A presença de mais de 100 casamatas no espaço Central do museu possibilita que as esculturas interajam com o espaço banhado de luz, no qual as paredes ainda exibem a alvenaria de tijolos de barro que explicitam a estrutura do edifício – historicamente inacabado – e cujo piso, de mármore branco, cor também aplicada em todas as Casamatas, possibilita ampliar o jogo de cheios e vazios, o peso da matéria e a leveza do suporte.
Além das casamatas, nos dois pátios laterais ao Octógono foram instalados os Columbiformes. Trata-se de pombos em bronze patinado de verde em dois tamanhos diferentes que no dorso possuem pequenos feixes metálicos e que acomodam-se em diversos pontos, chamando novamente a atenção para os vestígios de uma construção nunca finalizada.