Em atendimento à legislação eleitoral, os demais conteúdos deste site ficarão
indisponíveis de 2 de julho de 2022 até o final da eleição estadual em São Paulo.

Tipo: Exposições | Local: Edifício Pina Luz

Data Início Exposições 31 de outubro de 2020 - Data Término Exposições 31 de dezembro de 2025

Exposições: Pinacoteca: Acervo

ingressos acesso ao site da INTI

A Pinacoteca, Museu da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, apresenta Pinacoteca: Acervo.

A exposição do acervo de arte brasileira da Pinacoteca ocupa 19 salas do Edifício Pinacoteca Luz com cerca de mil obras de mais de 400 artistas.

Aberta ao público em 2020, substituiu a mostra de longa duração anterior, Arte no Brasil: uma história da Pinacoteca de São Paulo, que ficou em cartaz entre 2011 e 2019.

O projeto curatorial de Pinacoteca: Acervo mescla tempos históricos e técnicas artísticas, debate a representatividade de artistas mulheres, afrodescendentes e indígenas no acervo, investiga as relações entre arte e sociedade, bem como a representação da paisagem e do espaço urbano. Assim, a mostra abandona as recorrentes narrativas lineares e cronológicas, em favor de novas perspectivas sobre a arte. A exposição reúne itens de todas as coleções que hoje se encontram sob a tutela da Pinacoteca, incluindo os comodatos  Nemirovsky e Roger Wright, mais alguns comodatos propostos especialmente para a mostra, como é o caso da obra da Adriana Varejão.

A narrativa expositiva está organizada em três núcleos, cujo fio condutor é a  figura do artista. O primeiro, Territórios da Arte, aborda como artistas representam a si mesmos e aos outros, explorando, em seguida, as diferenças entre técnicas artísticas e entre as próprias definições de arte. No segundo, Corpo e território, as abordagens se modificam e se centram na relação dos artistas com o mundo físico ao seu redor, as visões da paisagem e do ambiente urbano. O último núcleo, Corpo individual / corpo coletivo, investiga as relações entre o artista e a coletividade, como questões de gênero e identidade.

Importante ressaltar que não existe um percurso único a ser seguido, uma vez que os espaços têm certa autonomia de temas, permitindo que o visitante faça seu próprioitinerário.

A montagem busca evidenciar questionamentos sobre o próprio acervo do Museu e de narrativas da história da arte tradicionalmente contadas a partir dele.

Neste sentido, há uma tentativa de evidenciar omissões ocorridas em narrativas hegemônicas, como a sub-representação de mulheres e de artistas afrodescendentes e indígenas. O número de obras de artistas do sexo feminino e de afrodescendentes mais que triplicou em relação a exposição anterior. As artistas mulheres passaram de 17 para 95, e os artistas afrodescendentes de 7 para 26.Ainda por meio de uma Doação do Programa de Patronos de Arte Contemporânea da Pinacoteca de São Paulo, o Museu adquiriu, pela primeira vez, em 2019, obras de dois artistas indígenas contemporâneos: Feitiço para salvar a Raposa Serra do Sol, de Jaider Esbell, do povo  Makuxi de Roraima, e Voyeurs, Menu, Luto, Vitrine; O antropólogo moderno já nasceu antigo; e Enfim, Civilização, de Denilson Baniwa, artista do povo Baniwa do Amazonas, que estão presentes na mostra.

Em 31 de outubro de 2020, a Pinacoteca de São Paulo inaugurou a exposição de longa duração de seu acervo ao mesmo tempo em que abriu a primeira  exposição dedicada à arte dos povos originários, Vexoá: Nós Sabemos, que ocupou  três salas para exposições temporárias localizadas no segundo andar do Edifício Pina Luz e teve a curadoria de Naine Terena.

Sobre o processo de concepção de Pinacoteca: Acervo

O Núcleo de Pesquisa e Curadoria deu início ao projeto da nova coleção da Pinacoteca de São Paulo, em 2017. A reformulação da exposição de longa duração foi elaborada pelo Núcleo de Pesquisa e Curadoria em conjunto com as outras áreas do museu. As discussões para pensar a mostra envolveram todas as áreas do Museu em fóruns que se tornaram semanais.

Além de pesquisa de opinião realizada com visitantes do museu, um seminário realizado em 2018, “Modos de ver, modos de exibir”, trouxe muitos subsídios de reflexão para a equipe curatorial, especialmente no que diz respeito aos debates sobre o pós-colonialismo e a representatividade étnica e de gênero.

O projeto contou também com a interlocução com outros profissionais externos à Pinacoteca, como Moacir dos Anjos, Julia Rebouças, Renata Bittencourt e Denilson Baniwa, que debateram com a equipe da Pinacoteca os conceitos principais da exposição.

Confira aqui imagens da exposição. Fotos: Levi Fanan

 

SERVIÇO:

Exposição: Pinacoteca: Acervo

Curadoria: Núcleo de Pesquisa e Curadoria da Pinacoteca

Período de visitação: de 31 de outubro de 2020 até 31 de dezembro de 2025

Local:  Pinacoteca Luz – 1º e 2º andares

Endereço: Praça da Luz, 2, Luz, São Paulo -SP

Horários de funcionamento: das 10h às 17 h, com permanência até às 18 horas, de quarta a domingo.

Assine nossa Newsletter

e acompanhe nossa programação



    ingressos acesso ao site da INTI

    Clicando em "Aceito todos os Cookies" ou continuar a navegar no site, você concorda com o
    armazenamento de cookies no seu dispositivo para melhorar a experiência e navegação no site.
    Consulte a Política de Privacidade para obter mais informações.

    Aceitar todos os Cookies