Em atendimento à legislação eleitoral, os demais conteúdos deste site ficarão
indisponíveis de 2 de julho de 2022 até o final da eleição estadual em São Paulo.

Tipo: Exposições | Local: Edifício Pina Luz

Data Início Exposições 19 de junho de 2010 - Data Término Exposições 15 de agosto de 2010

Exposições: Renina Katz: Aquarelas

A Pinacoteca do Estado de São Paulo apresenta, na Estação Pinacoteca, a exposição Renina Katz: Aquarelas, com cerca de 70 obras realizadas entre 2006 e 2010. Segundo Jorge Coli, curador da mostra, “Renina Katz deixou de se consagrar à gravura, atividade central ao longo de sua carreira. Consagrou-se à aquarela. Aquilo que lhe era um exercício esporádico, transformou-se numa tarefa quotidiana. O trabalho concentra-se em pequenos formatos. São obras que permitem ao seu gesto cuidado, caprichoso, encontrar matizes ínfimas e criar mundos. Renina encontrou o segredo do infinito na superfície reduzida: irmana-se às miniaturas persas, a Klee, que, como ela, afloram o visível de modo diminuto e silencioso, capaz, no entanto, de criar a vertigem da beleza e da poesia”.

Renina Katz (Rio de Janeiro, RJ, 1925), cursou a Escola Nacional de Belas Artes, no Rio de Janeiro, entre 1947 e 1950. Começou sua carreira nos anos 1940, período em que se dedicou à pintura realizando retratos e paisagens do Rio de Janeiro, sempre utilizando elementos do expressionismo, em que se percebem as influências de artistas como Kathe Kollwitz. Em 1946, inicia-se em xilogravura com Axl Leskoschek.

Na década seguinte muda-se para São Paulo e sua obra apresenta preocupações sociais, com caráter de denúncia. Renina revela o universo dos trabalhadores urbanos e de personagens marginalizados, como nas várias gravuras sobre retirantes (1948/1956) ou no álbum Favelas, 1956. Trata-se de uma gravura limpa, objetiva, despojada, mas com detalhes elaborados.
No inicio dos anos 1960, a artista deixa os temas ligados ao realismo social e sua obra assume um caráter não figurativo. A partir dessa data, é docente da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo – FAU/US , onde permanece por 28 anos, e na qual defende mestrado e doutorado.

Nos anos 1980, o trabalho de Renina começa a apresentar superfícies translúcidas. Para conseguir esse efeito, ela grava muitas matrizes e aplica várias cores, realizando diversas impressões para obter uma única gravura. Renina Katz também dedica-se a ilustrações de livros e a realização de murais, vitrais e azulejaria para edifícios públicos e privados.
Renina Katz realizou diversas exposições, entre elas: Renina Katz: gravuras e desenhos, no Masp (1952), 5ª , 6 ª e 7 ª Bienal Internacional de São Paulo (1959, 1961, 1963), 1ª Bienal Internacional de Gravura, no MACC (1987), Renina Katz: desenhos, no Museu Lasar Segall (1989). Na Pinacoteca do Estado a artista já realizou as mostras: Diário de Anotações (1994) e Ares e Lugares (1996) e por último, Desenhos de Renina Katz, em 2004, na Estação Pinacoteca.

Assine nossa Newsletter

e acompanhe nossa programação



    Clicando em "Aceito todos os Cookies" ou continuar a navegar no site, você concorda com o
    armazenamento de cookies no seu dispositivo para melhorar a experiência e navegação no site.
    Consulte a Política de Privacidade para obter mais informações.

    Aceitar todos os Cookies